OS FALSOS

Estava no ônibus e escutei quando duas mulheres conversavam sobre o ano novo. Uma magra, com um filho perto dela, e a outra loira, mais baixa, um pouco forte. A primeira dizia que o pessoal ficava doida no final do ano, todo mundo correndo para lá e para cá por nada, segundo ela disse. disse também que todo ano é a mesma coisa: as pessoas comem, fazem festa, ficam sem dormir, para no ano seguinte fazerem a mesma coisa, o mesmo trabalho ,as mesmas lutas.... Tudo igual, segundo ela falou. A galega se referiu aos falsos de fim de nao, que só falam com você para dar ano novo. Asseverou que não gostava daquilo, uma falsidade só. A magra disse que antes corria para debaixo da cama, enquanto a outra falou que não saía de casa nessa hora; não gosta de falsidade, disse ela. 
Fiquei me lembrando de uma pessoa que morou perto de mim. Sujeito estranho. O ano todo não olhava para mim, mas chegando o fim do ano apertava minha mão e me desejava feliz ano novo. Só. No dia 1 de janeiro o infeliz nem olhava na minha cara mesmo passando por mim. Era patético. 
Concordei com as duas. Se você não fala com alguém durante o ano todo, para quê falar no final do ano? Falsidade triste. Seja coerente, não fale, que será mais verdadeiro que se você falar. A não ser que seja seu irmão, pai, mãe, o que ja é uma grande culpa não falar com os pais,tio, avô... Fora isso, não diga uma palavra, seja verdadeiro, de uma só cara. Um ano tem mais de trezentos dias, e só no último você vem falar!Tenha dó.