MEU AMIGO FERIADO

Feriado.Proclamação da República, e eu em casa. Todo mundo indo para
praia, piscina, e eu em casa. Casa de praia, e eu em casa. Saco. Ás
vezes acho isso uma injustiça, não que seja da parte de Deus, mas do
Sistema,esse vampiro, que beneficia uns de mais, outros de menos, sim,
por que nem sempre é a pessoa culpada, nem Deus, mas o Sistema
vigente, que precisa que uns desçam, e outros subam.Já dizia Chico
Science: "...o de cima sobe, o de baixo desce." E outro: "homem
primata, capitalismo selvagem."
Vi como estava O BR 101, uma fila enorme, perto da Macaxeira então nem
se fala, toda aquela área. Confesso que invejei aqueles caras indo à
praia e a tudo de bom que a vida oferece, a vida deles, claro.
Estudar, muitas vezes, cansa, como diz Salomão em Eclesiastes, é
"canseira, e correr atrás do vento."
Aí pensei na nossa coisa pública, esse nosso Sistema, que
aparentemente é o melhor para nós, sem a Monarquia para impor seu
poder à força, sem ficar centralizado demais. E quem disse que nesse
atual sistema não há força, não há coisas que somos forçados a
fazer,como votar, como ter que pagar impostos, como ser dono de um
terreno, de uma casa, é algo relativo, pois o Estado é quem realmente
manda. Tudo é uma ilusão. Vivemos uma ilusão,nisso o budismo acerta, o
poder que temos é apenas uma cortina de fumaça, não fazemos tudo que
queremos, não temos tudo que queremos, por causa do Sistema, e por
causa das oportunidades que  nem todos podem aproveitar, por não ter
dinheiro, nem amigo na praça, e por outros motivos. Se bem que
oportunidades há que não precisamos ter dinheiro para ter elas. Estou
aqui filosofando, mas o que quero mesmo é
Ter um pouco dessa ilusão, como em Matrix, quando um dos que lutavam
contra o Sistema imposto, traiu os amigos para provar um pouco da doce
e gostosa ilusão de provar uma comida apetitosa, ou aparentemente
apetitosa. Não faço apologia a isso, é algo desprezível a traição de
toda forma. Vide Judas Iscariotes.
Imagino a burguesia curtindo as praias no Sul e Norte do estado. As
casas de praia bem próximas ao mar, as redes, as cadeiras estendidas,
os quintais grandes, os pés de caju, manga, e jambo cheios dessas
frutas, os sucos delas, os almoços nos quintais e nas varandas; à
noite, o luar, o clima gostoso, o cheiro de mar,a escuridão dele, os
barcos dos pescadores, a fogueira, o luau, os filmes, as leituras de
livro, tudo; a família reunida, os amigos curtindo, a paz, a alegria
de estar curtindo seu dinheiro de forma honesta, sem ter roubado o
Sistema, sem ter enganado ninguém, sem usar de subterfúgios, sem ter
feito as pessoas de idiotas para apenas ter lucro e manter o status
quo.Sim, há pessoas que como o personagem de Goethe,  vendem as almas
ao Diabo, e como Doriam Grey, fazem de tudo para se manter como
desejam. Penso que não é por aí.Mas talvez achem exagero ou fantasia
minha, isso que disse sobre pacto com as trevas. Elas existem, e nem
todos se dão conta disso. O mal não surge do nada, por si mesmo, nem o
Bem, mas há uma fonte primeira de todos eles.
Vejam só como divergir para falar sobre o feriado. Jesus disse que "a
boca fala do que está cheio o coração". Então é isso. Meu coração está
cheio de poesias, de filosofias, de coisas boas, como disse o
Salmista: "meu coração ferve de palavras boas". E coração aí não é o
órgão que fica no peito, mas toda a natureza do homem, tudo o que ele
é, todo o seu ser. Na Bíblia, na maioria das vezes quando aparece a
palavra coração, é isso que significa. Jeremias disse que "enganoso é
o coração do homem, mas do que todas as coisas, quem o conhecerá?",
pergunta o profeta, e ele mesmo responde: "O Senhor sonda os
corações..."
Bem olhem o que me levou a dizer o feriado. Queria tê-lo mais perto de
mim, que ele fosse mais meu a amigo, que  fosse mais terno comigo. Os
feriados são um parente distante, com o qual nunca troquei palavra
nenhuma. Mas um dia encostarei minha cabeça no seu seio, como fez o
apóstolo João no peito de Jesus, e aí seremos como velhos e bons
amigos.