quarta-feira, 29 de outubro de 2014

O PROFESSOR: SERVO DE ORELHAS FURADAS?


Se comprares um servo hebreu, seis anos servirá; mas ao sétimo sairá livre, de graça.
Se entrou só com o seu corpo, só com o seu corpo sairá; se ele era homem casado, sua mulher sairá com ele.
Se seu senhor lhe houver dado uma mulher e ela lhe houver dado filhos ou filhas, a mulher e seus filhos serão de seu senhor, e ele sairá sozinho.
Mas se aquele servo expressamente disser: Eu amo a meu senhor, e a minha mulher, e a meus filhos; não quero sair livre,
Então seu senhor o levará aos juízes, e o fará chegar à porta, ou ao umbral da porta, e seu senhor lhe furará a orelha com uma sovela; e ele o servirá para sempre.
Êxodo 21:2-6
Isso acontecia no Israel de antigamente, nos tempos bíblicos, nação que tinha as leis mais avançadas para a sua época. Nenhum povo tinha leis como as desse povo, mais brandas,com mais respeito aos semelhantes. Tudo isso era para acabar ou diminuir a opressão sobre seus pares. 
Mas hoje em dia, penso que os professores fazem algo parecido, quando se resignam a ensinar mesmo ganhando pouco, mesmo sendo oprimidos por um sistema duro como pedra, sem ser verdadeiramente reconhecido, tanto do ponto de vista financeiro quanto do ponto de vista moral. Poucas vezes ocorre isso.
O professor segue esse caminho do ensino sabendo o que vai encontrar pela frente, seja alunos desrespeitosos, seja patrões sem escrúpulos, verdadeiros comerciantes, seja governos sem noção, ou com noção demais. É um ideólogo, um profissional que a isso se resigna. Levar uma cruz, mesmo que pesada, sem reconhecimento; às vezes penso que os professores gostam de sofrer, por causa do amor que têm pelo ensino, pelos alunos,pela luta.
É um herói, combate um combate bom, como Paulo, e vai compondo suas melodias diárias, semeando para colher mais tarde. Sim, é um semeador, e as sementes ora se perdem, ora crescem a 50, 80, 100 por um;outras vezes, demoram a planta demora a crescer, e fica ainda algo guardado. Nada se perde totalmente. Ensinar é resignar-se. É amar. Na verdade, o amor é o motor de uma ideologia. As ideologias se seguem por amor.Se não ama, não segue; se segue, é por que ama.E o mestre segue a dele.
O mestre está comprometido com o ensino, com o dever de transformar corações. E se pegarmos o sentido bíblico do termo, dizemos que ele, em sua natureza, em sua totalidade, procura tornar isso seu ideal diário. Os ideais devem ser renovados diariamente, para que não envelheçam e não se acabem. Assim é o mestre. É o ensino também.