sábado, 12 de novembro de 2016

CARTA AO PRESIDENTE


Rurópolis, 12 de novembro de 2016


Ao  Presidente da República do Brasil, Michel Temer



Querido presidente,


Fico muito feliz em poder escrever ao senhor hoje. É uma  prazer que tenho ao fazer isso, em saber que o senhor essa carta. Que privilégio!
Quero dizer que jamais pensei que o senhor buscou ter o poder a qualquer preço, nem se articulou para ser Presidente da República, como dizem por aí (Nossa Senhora dos Descarados, esse povo é louco!) não penso isso do senhor, presidente. Ao contrário, gosto demais do que está fazendo, pode acreditar. Não só eu, mas todos na Rural (UFRPE). Além do mais, conhecemos sua trajetória política, e sabemos que nunca esteve envolvido com falcatruas, mentiras, e roubos. É um crápula quem diz isso do senhor.
Para o senhor ter uma ideia, o coordenador do curso que faço, ao saber que o senhor se tornou presidente no lugar de Dilma, anunciou que no outro dia não haveria aula, tamanha foi sua alegria. Ele fez questão que tivéssemos atividades culturais no sábado seguinte, mesmo sem tempo para isso. Chamou tres bandas que o senhor, certamente já ouviu falar. A primeira foi a banda “Antiyou”, “Nenhum de Nós te Quer”, e  “Desprezus”. Foi bom, gostamos bastante. Uma professora, Tatiane, ao saber também, comprou vinte caixas de chocolates e distribuiu com os alunos da Rural. Cada aluno ganhou um chocolate, claro que só foi os que ela ensinava.
Como ficamos regozijados ao saber que os presidentes de esquerda da América Latina, lhe parabenizaram pela ascensão presidencial. O senhor sabe como eles odiavam Dilma, e nunca aceitaram ela na Presidência da República. Admirou-me o presidente da Venezuela vir no outro dia, sem aviso prévio, mesmo sem ser chamado, lhe parabenizar! Que orgulho do meu país!
Fiquei sabendo que os professores da Rural vão lhe enviar um abaixo-assinado para lhe pedir que não aumente os seus salário por dois anos, por causa do que o senhor está azendo na educação, pela mudança no Ensino Médio, entre outras coisas. O senhor e seu ministro Doncinha (é assim que nós o chamamos, pois é muito amado aqui). Que espetáculo de plano! Já estou vendo o Brasil ultrapassando os EUA, França e Coreia do Sul, no ensino.  Não sei a razão de afirmarem que o senhor que privatizar as federais (que hilário isso!)o senhor jamais faria algo assim, sei disso.
Não sei se o senhor ouviu a imprensa noticiar que a UFRPE está tomada (que mentira, minha Santa Inocentina!) mas é tudo um cenário para um curta-metragem chamado “O Estupro do poder”, cuja verba veio de uma vaquinha que alunos e professores fizeram para as filmagens.  Quero aqui fazer uma observação. A professora Sherry doou a terça parte do salário dela, por tres meses, para ajudar com esse empreendimento, e a professora Dorilma, com a metade do salaŕio dela, por um mês! Brevemente vai ficar pronto, e vamos, creio eu, ser indicados  ao “Praieirus”, a premiação para filmes em Rurópolis.
Querido presidente, são tantas coisas para escrever aqui, mas não quero que minha carta seja longa. Expus aqui o que não só eu sinto pelo senhor, mas todos os professores, alunos e funcionários da Rural, principalmente o professor Inaldo,que te venera. Fico por aqui. Sem mais, de quem tem muito carinho pelo senhor,


Sofrídio Brasilca Angustinis