quarta-feira, 2 de novembro de 2016

RURALISE-SE PARA O AMANHÃ

 



A Rural armou-se de ideias
Ela não Temer a nada;
Ela mostra a cara,
Mas ninguém confia
E ninguém diz quem paga
Pra ser assim.


Ela NADA Temer, a não ser
A impavidez de alguns.
Quer saber do negócio,
E até o nome do sócio.

Armou-se de armas midiáticas,
Escudos cibernéticos;
Faz o que pode, e, se possível,
Até molotovs.

Se fechar os olhos
Ao pisar a grama,
E matar o cachorro,e DEIXAR,
Já perdeu a honra.


Qual tua ideologia?
Nesse momento ela importa?
Seja ela o desejo de derrubar
Essa porta que fecham em nossa cara.


A Rural não TemeR a nada,
A não ser a aridez do coração
Que não se fertiliza,
E não deixa crescer as flores do amanhã.