O MODELO DE GOVERNO DA IGREJA




Pelo que vemos, a igreja tem três formas de organização principais: o sistema episcopal, o sistema presbiteriano, e o congregacional.
O sistema episcopal é usado pelas igrejas anglicanas,a Igreja Católica, a Igreja Protestante Episcopal dos Estados Unidos,  e a Igreja Metodista Episcopal. Essa forma de organização consiste de três coisas, que são: bispos, sacerdotes e diáconos. Em todas essas, o poder se concentra no clero, que se perpetua no poder indefinidamente.
O próximo é o presbiteriano,  cuja disciplina é confiada a um conselho compostos de pastores e ancião eleitos, mas pode ser revisado por um conselho superior. Essa  organização fica assim: o conselho, cujos membros são eleitos pela congregação individual; o presbitério, composto de delegados dos distintos conselhos; o sínodo, corpo composto de delegados  desses conselhos, e, por fim, a assembleia geral, composta por delegados de todos o presbitério. Esta é a mais alta autoridade do sistema presbiteriano de governar.
No sistema congregacional, todo o poder é exercido pela igreja local, e é considerado o único modelo que realmente está de acordo com a igreja primitiva. Essa forma de organizaação seguida pela igreja Independente da Inglaterra, as igrejas congregacionais da América, e as igrejas batistas do mundo todo.
De acordo com o Novo Testamento, era a igreja local, e não o ministério ordinário, que tinha poder de disciplinar os membros e de excluir eles. Ela também elegia seus próprios oficiais, pois tinha total autonomia.
Foram igrejas locais que escolheram importantes bispos como Atanásio (328 de. C.), Ambrósio (374 d.C.) e Crisóstemo (398 d. C.). É bom sabermos isso. Além do mais, a igreja local decidia sobre coisas que não estavam claras nas Escrituras.
Agora, veja o modelo assembleiano, segundo o pastor Alcebíades Pereira de Vasconcelos:

No nosso entender, a igreja cristã biblicamente entendida, governa-se a si mesma, mediante o sistema democrático em que todos os seus membros livremente podem e devem ouvir e ser ouvidos e ser ouvidos, votar e ser votados, conforme a sua capacidade pessoal de servir(…) A igreja cristã, à luz do Novo Testamento, é uma democracia perfeita, em qual o pastor e seus auxiliares de administração (tenham as categorias ou denominações que tiverem) não dominam, pois quem domina sobre ela é Jesus, por mediação do Espírito Santo, sendo o pastor apenas um servo que lidera os trabalhadores sob guia do mesmo Espírito Santo; e, neste caso, é expressa e taxativamente proibido ter domínio sobre a igreja. I Pedro 5.2,3. 


A Assembleia de Deus é um misto delas todas, atualmente o poder se firma nas mãos de um pastor-presidente, um verdeiro bispo geral. Seria bom se permanecesse como ela começou, que foi segundo o modelo congregacional segue, mais democrático e dentro da Palavra de Deus, conforme mostrado na Bíblia.

No interior, a igreja segue mais o modelo congregracional, e na capital, segue mais o modelo episcopal, estando ambas sujeitas às convenções regionais e nacionais. Myer Pearlman disse algo interessante sobre isso:

As primeiras igrejas eram democráticas em seu governo- circunstância natural em uma comunidade onde o dom do Espírito Santo estava disponível a todos , e onde toda e qualquer pessoa podia ser dotada de dons para um ministério especial. É verdade que os apóstolos e anciãos presidiam às reuniões de negócios e à seleção dos oficiais; mas tudo se fez em cooperação com a igreja (Atos 6.3-6; 15.22, I Co 16.3, II Co 8.19, Fp 2.25).


E, assim, segue algumas igrejas, cheia de belas mudanças!








BIBIOGRAFIA



OLIVEIRA, Raimundo Ferreira de. As Grandes Doutrinas da Bíblia. Rio de  Janeiro, CPAD, 1987.

Disponível em:< https://juberdinizete.blogspot.com.br/2009/11sobre-omodelo-eclesiastico-da.html/>. Acesso em: 23 jan de 2017